Convocatória 13

Convocatória

Revista nuestrAmérica

Volume 7, número 13 (janeiro-junho 2019)

 

 

Dossiê

Direitas no novo fin-de-siècle: América na segunda metade do século XX e abertura do século XXI

 

 

Editores temáticos

Renato Alencar Dotta

Felipe Azevedo Cazetta

Maria Aparecida de Aquino

 

 

 

 

Apresentação

O campo político é terreno acidentado e movediço para aqueles que não tem bons instrumentos de localização. Embora divididos de maneira genérica entre direita e esquerda, tais categorias comportam variadas concepções, projetos e ações políticas. Assim, Norberto Bobbio as apresenta como qualidades excludentes e exaustivas. “São excludentes no sentido que nenhuma doutrina ou nenhum movimento pode simultaneamente ser de direita e de esquerda. E são exaustivos, no sentido de que, ao menos na acepção mais forte da dupla, (...), uma doutrina ou movimento podem ser apenas ou de direita ou de esquerda. ” (Bobbio, 1995, 31)

Por outro lado, esses dois grupos se subdividem, demonstrando que são territórios fragmentados. Assim, no campo da direita, é perceptível os campos democrático-liberal (a direita institucionalizada de modo geral), autoritário-liberal (conforme foi o caso da ditadura de Pinochet), conservador (a dicotomia Democratas-Republicanos nos EUA), autoritário-centralizador (tal como se buscou nas ditaduras de Vargas no Brasil e de Peron na Argentina), entre outras variações.

É importante fazer referência, no entanto, à perda de significado desta classificação dicotômica na prática de vários partidos políticos na região. Por exemplo, no México, as alianças maniqueístas e conjunturais entre esquerda e direita estão se tornando mais comuns. Por exemplo, no caso da eleição presidencial que recentemente marcou a primeira vitória de um partido de esquerda na história do país, o PAN (partido de direita) e o PRD (partido de esquerda) se aliaram. Aliança que, no entanto, tem sido vista há anos nas eleições estaduais e municipais mexicanas. Caso que se repete no Brasil e em outros países da região que optam por modelos de coalizão política.

Se concentrarmos o foco apenas no contexto latino-americano nas primeiras décadas do século XXI, poderíamos refletir sobre a ascensão dos novos governos de direita, dentro dessa multiplicidade de sentidos, como uma resposta aos governos "esquerdistas progressistas" e / ou ao resultado de políticas de abertura à diversidade que intensificaram sentimentos nacionalistas e grupos conservadores. Os exemplo são inúmeros: a Colômbia que, até os acordos de paz assinados pelo então presidente Juan Manuel Santos com as FARC, justificava a manutenção de uma guerra continua e de um Estado militarizado pela luta contra o “narcotráfico”, recebendo ajuda logística e financeira dos EUA, cujas extensões alcançam uma política reativa a “descriminalização” das chamadas “drogas ilícitas”; o mesmo acontecendo no México; ou ainda os EUA, com a ascensão dos chamados “Neocons” nas primeiras décadas do século XXI, no contexto da “Guerra ao Terror” do pós-11 de Setembro, que hoje se refletem em políticas de criminalização da imigração, encabeçadas por Donald Trump tanto em sua campanha presidencial quanto em sua atual gestão; ou mesmo no Brasil que, em 2016, viu-se construir um processo de impeachment da então presidente Dilma Rousseff, com bases em um discurso rarefeito de “combate a corrupção”, que empoderaram uma série de micro-organizações políticas e think tanks que se mobilizam através de agendas conservadoras e da retomada de um discurso anacrônico de “combate-ao-comunismo”, que data de uma releitura da polarização da Guerra Fria, para brecar políticas afirmativas (tais quais leis anti-aborto, anti-discriminalização de drogas, anti-cotas raciais, etc).

Deste modo, temos o prazer de propor o “Dossiê: Direitas no novo fin-de-siècle: as Américas na segunda metade do século XX e abertura do século XXI” com o intuito de convocar pesquisas que de algum modo contemplem o tema das direitas na América e outros continentes. Os descritores abaixo servem como norteadores gerais. Estamos abertos para discutir outros temas que tenham algum vínculo com a temática proposta.

 

 

 

Descriptores

1. Os recentes golpes de Estado na América Latina (Honduras, Paraguai, Brasil): executados pelas oligarquias e a serviço do neoliberalismo;

2. Os regimes militares na América Latina e o papel dos EUA, nos anos 1960 a 1980;

3. As oligarquias do continente e a repressão aos movimentos populares;

4. Organizações religiosas conservadoras: católicos e protestantes;

5. Anticomunismo e Guerra Fria;

6. As direitas após o fim da Guerra Fria no continente;

7. A ascensão dos neocons nos EUA, o 11 de Setembro e além;

8. O papel dos think tanks na promoção de agendas conservadoras na segunda metade do século XX e primeiras décadas do século XXI.

 

 

 

Perguntas

1. Quais as relações que as ditaduras militares da região tiveram com o “Líder do Mundo Livre”, os EUA?

2. Como foi o processo de controle policial e difusão dos serviços secretos nos diversos países do continente, tal como a Operação Condor?

3. Qual a atuação das multinacionais no continente e sua influência nas políticas locais durante os anos da Guerra Fria e qual seu papel na formatação política global do século XXI? Como se organizou e se organiza politicamente o empresariado local no mesmo período?

4. Qual o papel das lideranças carismáticas e suas ambiguidades com a direita: Getúlio Vargas, Juan Domingo Perón, José Maria Velasco Ibarra, etc?

5. Qual o impacto do Consenso de Washington sobre o continente? Como se deram os avanços e recuos do neoliberalismo no continente?

6. O antichavismo foi/é um fator permanente de convergência das direitas latino-americanas?

7. Qual tem sido o papel político da imprensa no continente?

8. Há conexões entre a crise econômica de 2008 e o atual avanço da direita no continente?

9. Estados Unidos: Qual o impacto da ascensão de Obama junto à direita em geral e a movimentos racistas e xenofóbicos em particular? Quais as relações de Donald Trump com a extrema direita estadunidense? Quais as relações da direita canadense com a direita de outros países?

 

 

 

Sobre os editores temáticos

Renato Alencar Dotta: Doutor em História Social pela Universidade de São Paulo - USP (bolsista FAPESP), Mestre em História Social (bolsista CNPq), bacharel e licenciado em História pela USP. Trabalhou como historiador no museu municipal da cidade de Mauá (SP). Com vários anos de experiência no ensino superior, nas áreas de História Contemporânea, Educação e Turismo; foi também docente no ensino fundamental, médio e técnico. Temas com que trabalha: História Política (autoritarismo, integralismo, movimentos fascistas, Era Vargas), História Regional (São Paulo e região metropolitana), Museus e Patrimônio Cultural. É pesquisador associado do Grupo de Estudos do Integralismo e Outros Movimentos Nacionalistas (CNPq), na Universidade Federal Fluminense (GEINT-UFF), do Laboratório de Estudos e Pesquisas da Contemporaneidade, na Universidade Federal do ABC (LEPCON-UFABC), bem como é membro-fundador do GT História, Direita e Autoritarismo (ANPUH). Organizou dois livros sobre a direita no Brasil e, nesse momento (2018), organiza um terceiro. Foi membro nos conselhos de patrimônio de Mauá e São Bernardo do Campo. Link para o CV: http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4706042U1

Felipe Azevedo Cazetta: É professor da Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES) nas áreas de História Moderna e Contemporânea. Possui graduação em Historia pela UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA (2009), mestrado em História pela Universidade Federal de Juiz de Fora (2011) e doutorado em História pela Universidade Federal Fluminense (2016). Tem experiência na área de História, com ênfase em História Contemporânea, atuando principalmente nos seguintes temas: integralismo, integralismo lusitano, Ação Integralista Brasileira, autoritarismo e teoria. Link CV: https://www.escavador.com/sobre/5708683/felipe-azevedo-cazetta

Maria Aparecida de Aquino: Possui graduação em História pela Universidade de São Paulo (1974), graduação em Educação Artística - Faculdades Integradas Alcântara Machado (1975), mestrado em História Social pela FFLCH/USP (1990) e doutorado em História Social pela FFLCH/USP (1994). Atualmente é professora titular aposentada da Universidade de São Paulo e colaboradora do Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade de São Paulo. Foi coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Educação Arte e História da Cultura da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Foi também docente do curso de História das Faculdades Integradas de Guarulhos (FIG) e do Curso de Relações Internacionais da Universidade de Sorocaba (UNISO). Tem experiência na área de História, com ênfase em História Contemporânea, História do Brasil República, atuando principalmente nos seguintes temas: Imprensa brasileira, regime militar, censura, crise política no Brasil, política na América Latina. Link CV: http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4760581P0

 

 

 

 

Endereço para envio de propostas

http://revistanuestramerica.cl/ojs/index.php/nuestramerica/about/submissions#onlineSubmissions 

 

Datas importantes

Data limite para envio de artigos: 5 de outubro de 2018

Data de publicação deste edição: 1 de janeiro de 2019.

 

Portal web da revista

http://www.revistanuestramerica.cl/

 



Revista nuestrAmérica, ISSN 0719-3092, es una publicación seriada de investigaciones científicas y académicas con especial interés en el pensamiento crítico y descolonial. La edición es realizada por Ediciones nuestrAmérica desde Abajo Ltda, antes Corriente nuestrAmérica desde Abajo, en la ciudad de Concepción, Chile. Esta publicación es coordinada por su directorio desde Argentina, Chile, Brasil y México. Revista nuestrAmérica no aplica ningún tipo de cobro por procesamiento de contenidos y adhiere a las políticas de acceso abierto. Esta revista adhiere a las políticas mínimas comunes del primer acuerdo de Deycrit-Sur. Todo lo aquí publicado se realiza exclusivamente bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional.

Para más informaciones comuníquese a través del correo contacto@revistanuestramerica.cl